Caminhos da floresta - o maior crossover da história (ou não)


Você já viu uma frase que diz "Estou lendo tantos livros, que to na parte em que o Harry vai para Nárnia para destruir um anel", ou mais mais ou menos isso? Foi a sensação que tive ao assistir Os Caminhos da Floresta, uma musical da Disney em que nós temos um encontro entre Rapunzel, Cinderela, Chapeuzinho vermelho e João e o Pé de Feijão, além de nomes talentosos como Johnny Depp, Emilly Blunt, Chris Pine e Meryl Streep.

Eu vou te contar uma história



Era uma vez um padeiro e sua esposa, que era um casal  que não tinha filhos. Um dia, sua vizinha, que era uma bruxa, os visitou só para jogar na cara dos dois que eles não podem ter filhos, devido a uma maldição jogada por ela, depois que o pai do padeiro roubou feijões mágicos de seu quintal, o que fez a megera sequestrar a irmã do padeiro, até então desconhecida pelo mesmo (@_@). 

Porém, a bruxa está disposta a fazer um acordo, em que o casal traga a ela um sapato de ouro (deveria ser de cristal), um pouco de cabelo loiro da cor de milho, uma vaca branca como a neve e um capuz vermelho como sangue (Eu entendi a referência).

Um conto "desnecessauro" de fadas



O filme é ruim? Não, até me incomodou o fato de quase todo o primeiro ato ser cantado, mas não posso reclamar de que um musical está sendo um musical. Além disso, o filme não se leva a sério em momento algum. O realismo é zero, e isso fica bem claro na participação de Johnny Depp, quando o lobo mau não é feito em captura de movimentos, mas em roupas com pelos, luvas e um chapéu com orelhas, ou quando a Chapeuzinho cai dentro do estômago do vilão, só que muito menor do que o seu tamanho normal, entre outras coisas que já vimos em contos de fadas. Mas o que mais me agradou foram as piadas, como quando a esposa do padeiro (sim, o nome é esse mesmo) fala para Cinderela que precisa do sapato para ter um filho, e a gata borralheira responde com "Isso não faz sentido nenhum".

Não posso deixar de citar também as referências aos contos originais, como quando as irmãs de Cinderela cortam os dedos para colocarem o pé dentro do sapato, ou o príncipe de Rapunzel cai sobre um canteiro de espinhos e fica cego, voltando a enxergar depois de uma lágrima de sua amada cair em seus olhos.



Mas então, por que chamei o filme de "desnecessauro"? Para entender melhor, pense um filme legal, mas com uma uma sequência ruim, que não precisava se feita, pois a primeira história já havia tido uma boa conclusão. Esse é o principal erro de Os Caminhos da Floresta, só que a sua sequência está nesse mesmo filme. 

A trama que apresentei acima é concluída depois de uns 70 minutos, e depois é só enchimento de linguiça. A mulher do gigante aparece e destrói o reino, o príncipe, que já não era um personagem interessante, virou um babaca egocêntrico, além de mudarem o tom do filme, que de uma comédia musical, virou um drama sombrio e sem humor nenhum. Se tivessem terminado o filme na metade, ele teria tido uma conclusão melhor, teria ficado engraçado, ao invés de ter ficado maçante.

Vale ou não a pena?



Olha, fica difícil dar um veredito. A primeira parte até que é divertida, mas eles não souberam a hora de parar. Pelo menos, serviu para me ensinar algo que sempre soube: Contos de fadas não fazem sentido.



Comentários