Vale ou não a pena - Metalder O Homem-máquina

Compartilhar:

Quando se é fã de tokusatsu, se ouve falar coisas parecidas com: "Essas séries são toscas, não tem trama, e blá blá blá". Mas nós que gostamos, sabemos que não é bem assim. Existem produções com boas tramas (caso contrário ninguém ia gostar né?!) e personagens interessantes, como é o caso do tema de hoje, que muitos conhecem como Metalder - O Homem-Máquina. 

Vamos falar sobre a série



Lançado em 1987, Metalder era o sexto herói a fazer parte  da franquia dos Metal Heroes, sucedendo Spielvan, e antecedendo o nosso querido Jiraya. Mas, ao contrário dessas séries, Metalder não foi tão bem aceito assim. No Brasil, foi exibido na Band em 1990, e diferente das outras, ganhou o horário das 22:00.

A trama gira em torno de um cientista que criou um androide, idêntico ao seu filho morto na segunda guerra, para lutar contra o Império Neroz. Mas logo após de concluir sua criação, o homem é morto pelas tropas do medonho imperador Neroz, deixando Metalder, que adotou a alcunha de Hideki kondo, com a missão de aprender sobre o mundo que irá defender, enquanto se defende dos vilões.

Metalder era um robô, isso todos já sabemos, e ele agia como tal, ou seja, sem expressão alguma. Muitos falaram que isso era um ponto negativo da série, mas eu não penso assim. Se o personagem era uma máquina, ele tinha que agir como tal, seria muito mais estranho uma máquina recém-nascida ser o sujeito mais carismático do planeta. E isso casa com a ideia de que Hideki ia aprendendo aos poucos como tudo funcionava, dando um ar mais filosófico ao personagem, como quando ele descobriu a morte e passou a dar um grande valor à vida, inclusive a de seus inimigos.



E não tem como falar dessa série sem falar do final, que se mostra inesquecível para muitos. No último episódio, depois de derrotar o imperador, Metalder está prestes a explodir, porque seu dispositivo de segurança gravitacional foi danificado na luta, fato que acarretará na destruição do planeta. Para impedir, ele pede Satoru, seu rival amoroso com Maya, sua amiga/namorada, para que destrua sua fonte de energia. O procedimento não mata Metalder, pelo menos não literalmente, ele perde sua personalidade, se transformando completamente em uma máquina.

Vamos falar sobre os vilões



Da mesma maneira do protagonista, os vilões também eram mais humanos do que estávamos acostumados a ver. Vários tem desejos, ambições, ou não são completamente maus, exceto o imperador Neroz. Muitos deles mudaram de lado após conhecerem e simpatizarem com Metalder. E por falar em Neroz, o cara não só dá medo, como seus planos envolvem coisas plausíveis, como golpes econômicos, grupos terroristas, entre outros problemas da nossa realidade.



Além disso, o império era dividido em quatro tropas: 


  1. Unidade Blindada: Humanos com armaduras especiais.
  2. Unidade Mecanol: Robôs com armaduras blindadas.
  3. Tropa Monster: Monstros (Ava) mutantes criados por engenharia genética.
  4. Tropa Cibernética: Androides.

Fracasso?


"Mas se a série tem tantos pontos positivos, por que ela não caiu no gosto da garotada japonesa?" Primeiramente, porque ela era dramática demais, e até pesada demais em alguns momentos, e isso não fez a pivetada comprar brinquedos, que é o verdadeiro objetivo das produções da Toei, tanto que a audiência não foi tão diferente assim das demais da franquia. 

dados retirados do blog Sushi Pop

Talvez por isso dá para ver a diferença no tom da segunda metade da série, onde apareciam mais crianças e cachorros, e tivemos a introdução de um novo personagem (chato pra cacete) para servir de alívio cômico e rival amoroso do protagonista (interpretado pelo mesmo ator do change Griphon), e o próprio Hideki kondo ficou mais carismático. Isso não é ruim, mas a mudança foi repentina.

Vale ou não a pena?




Resumindo, Metalder vale a pena sim, principalmente para quem gosta desses personagens que ficam refletindo no mesmo nype de Surfista Prateado, Visão, etc. Tem ação, momentos marcantes, personagens legais, um herói capaz de enfrentar tropas inteiras de uma vez só e um vilão que realmente passa a ideia de ameaça em grande escala, coisas que nem todo Tokusatsu tem.

Nenhum comentário