Reboot Guardian Code - O melhor Reboot de um clássico



Sabe quando você assistia alguma série quando era criança, mas depois não consegue achar nada sobre?  Vem, é o que aconteceu comigo no caso de reboot, que para quem não sabe, era uma animação exibida na rede manchete na época de cavaleiros do zodíaco, mas que mal é lembrada pelas pessoas. Bem, isso até a Netflix fazer uma continuação para a série.

Lançada em Março, a trama gira em torno de 4 adolescentes que estudam no colégio Alan Turing, que no primeiro dia de aula são convocados à sala zero, onde descobrem que eles foram convocados para se tornarem os guardiões e devem proteger o mundo real de vírus eletrônicos.

Diferente do desenho antigo, aqui nós temos uma emulação de um super sentai, onde tem Austin, que é o vermelho e o líder, escolhido por sua líderança, Tamra, vloguerr famosa se tornou a guardiã amarela, Trey,  atleta da escola, se tornou o guardião azul, e Parker, o nerd descolado que se tornou o guardião verde ( eu só senti falta de uma integrante rosa, mas acho que já tinha estourado o orçamento). Também temos a personagem mentora/suporte dos heróis, chamada de V.E.R.A, que de longe consegue ser uma das melhores da série ( lembrando que essa série não foi feita para marcar sua vida), que tem uma certa beleza, sem demonstrar expressão nenhuma, e quando demonstra, fica  extremamente mecânico, tendo um charme maior que a da Tamra, que é o estereótipo da garota popular. 

Apesar disso, eu senti um pouco de falta de motivação dos personagens. Por exemplo, Trey e Austin tem alguns conflitos, como quando Trey questiona o fato de Austin ser o líder, e sabemos que isso é um padrão de sentai, onde o azul muitas vezes é mostrado como o rival do vermelho, mas isso não é desenvolvido direito. Do mesmo jeito que achei que teve pouca coisa da Tamra, que conquistou uma amiga nos primeiros minutos da escola, mas a menina só aparece mais uma vez.



E por falar em falta de motivação, não posso esquecer do grande vilão, Soucerer. Um Hacker que é o estereótipo do crackudo, e que quer invadir todos os sistemas. Mas não sabemos o motivo dele fazer tudo isso, ou quem ele é, mas se tratando da Netflix, talvez isso fique para uma segunda temporada. Pelo menos, o capanga dele tem alguma motivação. Megabyte é um vírus que só faz as vontades do Soucerer para não ter seu código deletado ( não é a melhor, mas é uma motivação).

Mas para quem assistiu a série dos anos 90, pode ter ficado extasiado quando os personagens antigos (que me apresentou o nome do protagonista, já que eu não lembrava), estabelecendo que essa série é um universo expandido de algo clássico.

Em suma, Reboot é uma série divertida, que bebe bastante da fonte dos tokusatsu, mas não deixa de ser o básico de produções de super-heróis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário