Vale ou não a pena - Shin Kamen Rider: Prologue



Quando você pensa em Kamen Rider, talvez venha em sua cabeça as versões mais recentes com heróis em armaduras  de forma de frutas, ou médicos que jogam vídeo game. Contudo, o criador da Franquia, Shotaro Ishinomori, tinha em mente algo mais violento, sombrio e grotesco. Em 1992, foi feito um filme que tentava resgatar essa ideia, tanto que foi chamado de "Shin Kamen Rider", que apesar de ser um trocadilho com o nome do protagonista, pode ser traduzido como "Verdadeiro Kamen Rider".

Mas será que esse filme é bom? Quero mostrar minhas impressões desse longa-metragem nessa lista de vale ou não a pena. Como são 4 tópicos, cada tópico vale 2,5 pontos caso a crítica seja positiva, 0 para negativa e 1 para neutro. Somando 5 pontos ou mais, a conclusão é de que vale a pena  ver.

1 - Vilões são confusos e mal-aproveitados (negativo = 0).


No começo, nos é apresentado Yoshikazu Onizuka, um outro mutante além de Shin, e ele tinha tudo para ser o principal antagonista, tanto que a construção do protagonista é relacionado a ele. Mas ao invés de termos aquele embate entre criaturas, o personagem é morto um pouco antes da primeira aparição do Shin como gafanhoto humanoide.

Apesar de ser estabelecido que a "organização do mal" da vez é o "Sindicato", a CIA aparece como os mocinhos, mas tem horas que fica difícil saber quem é bom e quem não é. No final, temos trocentos antagonistas e nenhum desafio de verdade.

2 - A história é arrastada ( negativo = 0).


Quando assistimos um filme de herói (no caso um anti-herói), é óbvio que esperamos o momento em que o personagem entrará em ação. Só que em Kamen Rider Shin, ele demora 45 minutos para se transformar pela primeira vez. Isso não seria um problema, principalmente que serve para apresentar os personagens, se o filme não tivesse 90 minutos e você visse que não era necessário perder tanto tempo em apresentações. 

3 - Visual ( positivo = 2,5)


Pelo menos, visualmente o filme é belíssimo. Shin e Onizuka são grotescos  e passam uma certa realidade nos detalhes e movimentos. E mesmo estando de máscara (estou falando do ator e não do personagem), dá para perceber as emoções que o personagem passa na cena.

Essa crítica também serve para o Cyborg Goujima, um dos vilões. Ele tem um aspecto Grotesco, mesclando um visual metálico com orgânico, lembrando vilões  de arcade dos anos 80. E por falar na década de 80, alguns efeitos práticos, como o pulo do personagem e até algumas "explosões de sangue", são muito bem feitos para a época, mesmo que de primeira vista lembra bastante o sangue usado em Kamen Rider Amazon, que mais parecia um guache.

4 - Trilha sonora ( positivo = 2,5).


O que seria de uma cena sem uma música que casasse com a situação, não é mesmo?! E Shin tem um trilha que passa sentimentos muito bem, como a sensação de suspense, tensão, e até calmaria, como na cena da piscina (que é muito parecida com uma cena de "A lagoa azul"). Isso sem contar que a música de encerramento é muito bonita também.


Nota 5 -  Vale a pena, porém...

Parece que ele não gostou muito da minha lista

Não vou dizer que odiei Kamen Rider Shin, mas é um filme muito fraco. Ele poderia ter sido mais frenético, com um desenvolvimento maior de personagens. Tanto que eu acho que uma organização diferente dos acontecimentos e a substituição de alguns personagens por outro deixaria o filme bem mais interessante.

Imagens: letterboxd, Unbalanced Ramblings, Kamen Rider Wikia, my shiny toy robots, CD Japan, Ebay.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6 coisas sobre Kill la Kill

Tentando entender a linha do tempo do X-Men