Vamos falar sobre Lion Man G



Se existe um Tokusatsu que é lembrado com carinho pelo fãs brasileiros (principalmente da época da Manchete), com certeza é Lion Man (depois de Jaspion, Changeman, Winspector e Black Kamen Rider^^). O herói de pelúcia  era um samurai, que através do jutsu de transfiguração, se transformava em um felino humanóide. Mas apesar de Lion Man laranja (é assim que era chamado a série no Brasil) ter feito um certo sucesso,  pouca gente sabe que é a segunda de uma trilogia, começada por Lion Man Branco.

O começo de uma nova era


Fonte: Tokubrasil

Depois do Japão ficar saturado com tanta séries de heróis gigantes e monstros Radioativos (se você acha os Super Sentai completamente repetitivos, é porque não viveu nessa época), decidiram fazer um herói que não tinha poderes exagerados e o tamanho de um prédio, que acabou se tornando um sucesso (junto com o primeiro Kamen Rider). Êxito que não se repetiu na segunda série. Mas depois de uma nova temporada que não deu o retorno esperado, o grande desastre viria em 2006 com uma suposta continuação da obra original.

Chega de Blá Blá Blá



Em um futuro nada distante (mais precisamente em 2011, lembrando que a série é de 2006) em Neo-Kabukicho, pessoas estão sendo transformadas em super-humanos por causa de uma lente de contato chamada Skull-Eyes. Saori (que de uma ninja poderosa passou a ser uma menina assanhadinha) é forçada a trabalhar com a reencarnação do Lion man original, também chamado Shishimaru. Durante uma batalha contra os Swankes (uma gangue de arruaceiros usuários do skull Eyes), um mendigo (é sério) chamado Kashinkoji, dá a ele uma espada que o transforma em Lion Man G, (mais precisamente Ghetto que pode se traduzir como Gigolô), despertando no mesmo momento tanto o ódio como o interesse de Jonosouke, a reencarnação do Joe Tiger original.

O vilão da série continua sendo Gosun (na trama se fala Gousan) que reencarnou em um super empresario mafioso. Dessa vez o "demônio de 3 olhos" tem um filho com complexo de cosplay (@_@)... mas na verdade, Jr. (sim é o nome dele) tem ciúmes de Jonousuke, que tem a atenção de seu pai devido sua habilidade de se transformar. Por isso, ele acha que também pode ter a aprovação do velho se "transformando", e a única maneira que ele acha é fazendo cosplay, gerando situações até que engraçadas (e forçadas também).

No episódio final, temos uma luta que de certa forma  lembra um pouco os filmes das Tartarugas Ninja (ninjas apanhando para animais mutantes), e depois de um baita quebra pau com Gosun, os dois samurais felinos são derrotados, (Lá vem Spoilers - mas acredite, se não viu, vai preferir que eu conte) . Com Lion Man revoltado com Gosun, Shishimaru vai para cima do cara e é impedido por Jonousuke, que segurando uma  banana de dinamite vai para cima do Gosun e ambos explodem, deixando apenas o Braço de Jonousuke (e deixando a Saori viúva, já que ela tinha conquistando o coração do cara).

A série acaba com Shishimaru se tornando uma lenda urbana, a irmã de Saori (O irmão da Saori original reencarnou em uma garota) escreve um livro sobre o "herói". Saori vira uma freira (porém grávida de Jounosuke) e FIM.

Uma grande Franquia indo para o Ralo?!


  A trama vendo desse jeito até que é interessante, que é exatamente o que a série não consegue ser com o passar do tempo. A decepção dos fãs foi que era da mesma produtora de Garo, o que fez muita gente esperar por efeitos especiais de primeira qualidade e uma história digna. Porém, no figurino a produção não peca, e nas (poucas) lutas também não, como uma entre  Joe Tiger e uma antiga companheira de trabalho, no mesmo instante em que  Lion Man luta com um outro cara (sim, essas duas merecem crédito). Mas como sempre digo: Não basta ter uma boa fórmula, tem que saber usar.

A maior parte dos episódios se resume em Shishimaru tentando "conquistar" Saori (ou soltando piadinhas pervertidas) e o cara nunca se transforma (as pouca vezes que ele usa os poderes é em situações de extremo desespero, situações que dá para contar nos dedos de uma mão). Sem contar que ele nunca para de agir como um bobão.



Outro ponto fraco é que  não tem monstros (o único que apareceu não lutou com Shishimaru nem Jonousuke, e sim com o mendigo que deu a espada para o protagonista, a luta até que é legal, mas no final o monstro morre por não aguentar tanto poder). As Lutas de Joe e Lion Man também são demais, porém são as únicas na metade da série (imagine se o Ryukendo enfrentasse apenas os Ryujin'o na série toda). Além do final que faz a gente se perguntar, se podiam explodir o vilão, por que não fizeram isso antes? (sem perguntar de onde ele tirou aquela dinamite?).

 Lion Man G apenas sujou o nome de seu tokusatsu original (que deu as caras por aqui na década de 90), mas como gosto não se discute, talvez alguém goste, ou não XD.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...